Festivais agrícolas. Espíritos da natureza. Ritos de fertilidade. Cultos pagãos. Sacrifício humano. São esses elementos de terror? Ou algo um pouco mais sutil e complexo? Há uma categoria narrativa para histórias que contêm esse tipo de imagem e vibração: o terror folk. E se você não sabe o que é o terror folk, deixe-me guia-lo para dentro da floresta, ou talvez para este campo de milho, e mostrar-lhe… algumas coisas. Considere isso como uma cartilha para o fã do cinema de terror que não está familiarizado com o subgênero do terror folk.

Depois do icônico filme de estreia de Ari Aster, ‘Hereditário’, os fãs de terror estão entusiasmados e empolgados com seu próximo longa, ‘Midsommar’. Situado na Suécia, parece conter alguns dos elementos de culto sacrificial pagãos, mas em um contexto cultural diferente de seu último filme. E, no entanto, ‘Hereditário’ não era sobre um culto pagão, mas sim a existência de um. Essas sutis dicas e fragmentos nos deixaram curiosos e assustados, e possivelmente assombraram nossos sonhos e talvez até nossos pensamentos em vigília (como as histórias de terror deveriam ser, com apenas informações suficientes e imagens convincentes para ficar conosco por um longo tempo em nossas mentes).

E isso é mais ou menos como o terror folk funciona: são as coisas que não são bem vistas, que não são explícitas, que são estranhamente familiares e ainda incognoscíveis, que nos agarram e nos aterrorizam, como se não tivéssemos certeza do que está à espreita, as sombras, mesmo que possamos ouvir sua respiração e cheirar seu suor. O terror folk é sensual e terreno: até seus fantasmas são de alguma forma corpóreos, cheirando levemente a segredos ancestrais.

Não existem regras rígidas e rápidas para qualificar o que é e não é terror folk, mas existem algumas características que parecem ser comuns. Um tema central é a paisagem e seu poder evocativo. Howard Ingham, autor de ‘We Don’t Go Back: A Watcher’s Guide to Folk Horror’, coloca desta forma: “Nos lugares isolados florescem superstições incomuns, e esses são os lugares de onde viemos. Os lugares antigos. Mesmo que os antigos deuses tenham morrido, há algo sobre essas antigas geografias que faz novos deuses florescerem onde o velho reinava. Os antigos terrenos, em pousio, são férteis para esse tipo de coisa. Mas nós não voltamos. Dessa forma, leva à loucura.”

Paisagem é de fato uma presença poderosa neste trio definitivo de filmes de terror folclóricos: ‘O Caçador de Bruxas (1968)’, ‘O Estigma de Satanás (1971)’ e ‘O Homem de Palha (1973)’. Estes três trabalhos clássicos, geralmente referidos como “a trindade profana” do horror popular, têm outros elementos em comum.

– Eles são ingleses (o folclore inglês é a fonte de grande parte da literatura e da cultura do renascimento oculto que chegou aos Estados Unidos nos anos 60 e 70).
– Eles retratam uma crença no animismo ou paganismo, ou seja, uma força divina iminente na natureza.
– Eles colocam idéias de sacrifício humano ou punição como formas de apaziguar espíritos antigos da terra.
– Geralmente há um número de personagens que compartilham um sistema de crenças que outros personagens podem achar supersticioso ou sobrenatural; isso cria um dilema de confiabilidade.
– Eles retratam a paisagem de uma maneira estética (visual, sonora) que parece estranha, assustadora, evocativa, “bizarra” ou desconfortável.
– Eles foram criados na sequência do segundo reavivamento oculto, quando a curiosidade das pessoas sobre mitos e tradições antigas foi despertada.

O terror folk como um subgênero definitivo foi mencionado pela primeira vez, aparentemente por Mark Gatiss em um especial da BBC de 2010 chamado “A História do Horror”. Gatiss observou que a trindade profana mencionada acima “compartilhava uma obsessão comum com a paisagem britânica, folclore e superstições.”

Os anos 70 foram, é claro, um tempo rico para o terror folk: além da profana trindade, havia ‘O Horror de Dunwich (1970)’, ‘Valerie e a Semana das Maravilhas (1970)’, ‘A Longa Caminhada (1971)’, ‘Pelos Caminhos do Inferno (1971)’ e ‘Picnic na Montanha Misteriosa (1975)’. Mais tarde vieram ‘Eyes of Fire (1983)’, e ‘A Companhia dos Lobos (1984)’. O conto rural de vampiros, ‘O Reflexo do Mal (1990)’. O influente com baixo orçamento, ‘A Bruxa de Blair (1999)’ e o estranho e original dinamarquês ‘Wisconsin Death Trip (1999)’. Considere ‘A Vila (2004)’ e ‘O Labirinto do Fauno (2006)’. Howard Ingham menciona alguns filmes anteriores como sendo muito influentes também: ‘A Noite do Demônio (1957)’, de Jacques Tourneur, e lá atrás, ‘Häxan – A Feitiçaria Através dos Tempos (1922)’, uma influência sobre os cineastas ‘A Bruxa de Blair’, assim como ‘Holocausto Canibal (1980)’, o primeiro filme “found footage”.

E, depois de 2010, estamos vendo cineastas que parecem estar criando exemplos intencionais de terror folk. Considere o brilhante mockumentário norueguês ‘O Caçador de Troll (2010)’. Considere ‘Kill List (2011)’, ‘Turistas (Sightseers)(2012)’ e ‘A Field in England (2013)’. Considere ‘O Corvo (2016)’, ‘O Ritual (2018)’ e ‘Apóstolo (2018)’. Houve algumas séries de televisão que tem uma vibe de terror folk também, desde 1978 com a minissérie de ‘The Dark Secret de Harvest Home’, ou o excelente ‘Robin of Sherwood’ de 1984, e exemplos mais recentes como ‘Detectorists (2014)’, ‘Dark (2017)’, ou ‘Requiem (2018)’. E vale a pena mencionar que ‘Stranger Things’, a série super popular que estreou em 2016, repleto de muitas referências de filmes de terror da década de 1980, também tem alguns marcadores de terror folk.

Embora os elementos de terror folclórico de ‘Hereditário’ possam ter sido sutis, ‘Midsommar’ parece ser uma espécie de exemplo de terror folk, com todos os chocolates na caixa. Há pessoas que tomam um péssimo caminho pela floresta (A Bruxa de Blair, O Corvo). Há pessoas inocentes sendo atraídas para testemunhar uma cerimônia pagã (O Homem de Palha, Kill List, O Ritual). Há consumo de substâncias tóxicas à base de ervas (‘A Field in England’). Há uma performance de ritual com música. Parece ter um sacrifício humano cerimonial (visto na maioria desses filmes). Aster parece estar sintonizado com uma vibe forte e crescente entre os fãs de terror inteligentes, uma fome pelas ricas nuances do terror folk, e ‘Midsommar’ promete um banquete caloroso.

Por que esse subgênero deve ser tão relevante agora? Talvez, ao olhar para um passado assustador, possamos entender melhor nosso presente aterrorizante; talvez possamos aprender algo sobre nós mesmos que nos levará adiante em tempos incertos. Howard Ingham fala sobre o terror folk pós-milenar: “É mais do que nostalgia em ação no rejuvenescimento de nossos pomares de maçã pagãos; é igualmente a obstrução de uma perda definitiva de algo de importância inefável e intangível”.

A produtora A24 lançará ‘Midsommar’ dia 3 de julho nos EUA.

Fonte – Bloody Disgusting (tradução livre)